Acnur: escalada de violência agrava situação em Mogadíscio

9 junho 2009

Agência da ONU diz que impacto do conflito sobre população civil é inaceitável; número de deslocados pela violência já ultrapassou os 117 mil.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Milhares de somalis foram forçados a fugir de suas casas este fim de semana após os mais intensos e sangrentos combates em Mogadíscio desde o resurgimento da violência entre o governo e grupos islâmicos em 8 de Maio.

O porta-voz do Alto Comissariado para Refugiados, Acnur, William Spinder, disse esta terça-feira a jornalistas em Genebra que o impacto do conflito sobre civis é inaceitável.

Atrocidades

Segundo dados do Acnur, mais de 117 mil pessoas foram deslocadas em Mogadíscio desde o início dos combates o mês passado. O número de mortos é estimado em 200 só para o mês de Maio.

William Spindler disse à Rádio ONU, de Genebra, que a situação humanitária na Somália é uma das piores no mundo.

"Recebemos informações dos nossos colaboradores na Somália de que a situação é cada vez mais preocupante em Mogadíscio com ataques contra civis e atrocidades cometidas contra mulheres, incluindo muitos casos de violação sexual. As agências humanitárias também tem muitas dificuldades para trabalhar. O número de pessoas deslocadas continua a aumentar, tendo já ultrapassado os 100 mil."

Governo Legítimo

Representantes de mais de 35 países e organizações internacionais iniciaram esta terça-feira um encontro de dois dias em Roma para discutir a situação na Somália.

A 15ª reunião do Grupo Internacional de Contacto para aquele país foi convocada pelo representante especial da ONU para a Somália, Ahmedou Ould-Abdallah.

Uma nota emitida pela sua porta-voz indica que o encontro visa reforçar o apoio internacional ao governo legítimo do país.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud