ONU pede US$ 168 milhões adicionais para o Zimbabué (Português África)

1 junho 2009

Montante vai complementar apelo original de US$ 550 milhões e ajudar seis milhões de pessoas afectadas pela crise humanitária.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A ONU e seus parceiros humanitários pediram esta segunda-feira aos doadores US$ 168 milhões adicionais para responder à necessidades de cerca de seis milhões de pessoas no Zimbabué.

O montante será acrescentado ao apelo original de US$ 550 milhões lançado em Novembro do ano passado.

Cólera

Uma nota do Escritório das Nações Unidas de Assistência Humanitária, Ocha, justifica o aumento pelo declínio significativo no fornecimento de serviços básicos. Segundo o órgão, isto contribuiu para o alastramento de um surto de cólera que infectou cerca de 100 mil pessoas e matou mais de 4,2 mil.

A agência da ONU indica que, até agora, só recebeu um pouco menos de metade do apelo inicial. A nota diz, contudo, que esses fundos ajudaram a conter a doença, forneceram comida e assistência agrícola às populações vulneráveis e apoiaram serviços sociais incluindo a saúde e educação.

Mas cerca de seis milhões de pessoas continuam a necessitar de ajuda devido à combinação de dois factores: insegurança alimentar e hiper-inflacção.

Estação das Chuvas

Uma equipa da ONU que visitou o Zimbabué em Fevereiro último disse que a crise humanitária permanece grave no país, apelando ao governo e à comunidade internacional para apoiarem os esforços de ajuda.

Segundo dados das Nações Unidas, cerca de 1,3 milhão de zimbabueanos estão infectados com o vírus do HIV-Sida, incluindo 133 mil crianças com menos de 14 anos. Existem também 1,5 milhão de crianças órfãs ou vulneráveis e mais de 100 mil famílias são chefiadas por um menor.

A nota do Ocha refere ainda que o início da estação das chuvas poderá conduzir a novos casos de cólera no país.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud