Cerca de 300 migrantes desaparecem no litoral da Líbia (Português para o Brasil)

31 março 2009

Segundo agência humanitária, eles estariam em três barcos a caminho da ilha de Lampedusa, na Itália, quando as embarcações afundaram.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Internacional para Migrações, OIM, afirmou que pelo menos 300 migrantes estão desaparecidos após as três embarcações que os transportavam terem afundado no litoral da Líbia. Autoridades locais disseram que o número pode ser de até 500 pessoas.

Segundo o porta-voz da OIM, Jean-Philippe Chauzy, o acidente teria ocorrido por causa de excesso de peso e ventos muito fortes. De acordo com a agência, a maioria dos desaparecidos era composta de migrantes africanos que tentam chegar à Europa pela ilha de Lampedusa, na Itália.

Problemas

Lampedusa fica no meio do caminho entre a Sicília e a África.

Há relatos não confirmados de que um quarto barco teria sido resgatado após apresentar sinais de problemas no mar.

O chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, António Guterres, expressou pesar pelo que ele chamou perda trágica de vidas.

Segundo ele, muitas pessoas preferem correr o risco de travessias como essas para escapar de conflitos, perseguições e pobreza.

Causas

O porta-voz do Acnur, William Spindler, disse à Rádio ONU, de Genebra, que é preciso analisar as causas do problema para combatê-lo com eficiência.

"É muito difícil de impedir que estas pessoas busquem segurança e proteção. Por isso é importante focalizar as causas do problema que são os conflitos, a falta de desenvolvimento, a falta de respeito pelos direitos humanos. Estas são as causas fundamentais deste movimento de população. Se não houver uma intervenção para corrigir estes problemas, o número de pessoas que continuam morrendo, cada ano, para buscar proteção na Europa ou em outros países porque a mesma situação ocorre no Golfo de Áden, entre a Somália, e o Iêmen, esta situação vai continuar", afirmou.

Tráfico Humano

O alto comissário da ONU, António Guterres, disse ainda que o incidente na costa da Líbia só reforça a necessidade de aumentar a cooperação internacional para resgates no mar.

Segundo a OIM, cerca de 37 mil migrantes do Chifre da África chegaram a Lampedusa no ano passado, a maioria deles partiu do litoral da Líbia.

De acordo com o Acnur, este é o começo da chamada "estação de tráfico humano" no Mediterrâneo.

Na semana passada, dois barcos com migrantes ilegais foram deportados da Itália. Uma embarcação, na Sicília, transportava 244 pessoas, e outra em Lampedusa tinha 219 pessoas a bordo.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud