ONU elogia abertura de tribunal para caso Rafik Hariri
BR

2 março 2009

Ex-primeiro-ministro do Líbano foi assassinado num atentado a bomba, em fevereiro de 2005, em Beirute; ataque matou mais 22 pessoas.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.*

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o início dos trabalhos do Tribunal Especial para o Líbano é um passo histórico na busca pela justiça.

O órgão deverá julgar os responsáveis pelo atentado a bomba que matou o ex-premiê libanês, Rafik Hariri, e mais 22 pessoas em fevereiro de 2005.

Promotor Canadense

As atividades do tribunal, com sede em Haia, na Holanda, foram iniciadas no sábado.

Ban Ki-moon disse que a ONU está comprometida com o julgamento e pediu a todos os países-membros da organização que cooperem com o trabalho do tribunal.

O órgão julgará acusados de assassinatos políticos no Líbano, incluindo o ataque que matou Hariri. As investigações sobre o caso estão sendo dirigidas pelo promotor canadense, Daniel Bellemare.

Escritório

Segundo ele, o tribunal foi criado para ajudar os libaneses a encontrar a verdade e acabar com a impunidade.

O promotor afirmou que apesar dos trabalhos de investigação continuarem, de Haia, a promotoria do caso manterá um escritório em Beirute.

Após o assassinato de Hariri, outros políticos libaneses foram mortos no Líbano em vários ataques.

*Apresentação: Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud