ONU pede a afegãos que combatam cultivo do ópio (Português para o Brasil)

12 janeiro 2009

Representantes especial no país, Kai Eide, reuniu-se com ministros e governadores para pedir continuidade de esforços na luta contra a droga.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O chefe da Missão de Assistência da ONU no Afeganistão, Kai Eide, pediu aos afegãos que continuem combatendo o cultivo da papoula no país.

Numa reunião com ministros e governadores afegãos, Eide elogiou o trabalho de províncias que se tornaram declaradas livres de plantações de papoula.

Reconstrução

Leia o boletim de Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

“A planta é a base da produção de ópio e outras drogas ilícitas.

Na reunião, Eide lembrou que o Afeganistão continua produzindo a maior plantação de drogas ilegais do mundo.

Segundo ele, o problema pode levar à quebra do processo de reconstrução do país como também à parceria do Afeganistão com a comunidade internacional.

Kai Eide disse que os afegãos devem encabeçar ações para acabar com o cultivo do ópio. Segundo ele, 18 províncias se tornaram livres da droga em 2008.

Principal Motor

Mas pelo menos 16 regiões estariam ainda abrigando plantações de papoula. O chefe da Unama disse que a droga é o principal motor do conflito, da criminalidade e do fracasso do bem-estar social não somente no Afeganistão mas em todo o mundo.

Em agosto, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc, informou que a produção de ópio havia caído 20% em 2008, se comparado aos níveis de 2007.

O motivo da queda teriam sido o combate de governos locais e as más condições do tempo, no ano passado.”

Joe Biden

Neste fim de semana, Kai Eide se reuniu com o vice-presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden. Os dois discutiram segurança e prioridades para o Afeganistão em 2009.

Biden também se encontrou como presidente do país, Hamid Karzai.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud