ONU priorizará proteção a gorilas em 2009

ONU priorizará proteção a gorilas em 2009

Organização havia anunciado, em outubro, que o próximo ano será dedicado a políticas para salvar os habitats dos animais, que estão sob risco de extinção.

João Rosário, da Rádio ONU em Nova York.

A ONU confirmou que 2009 será o Ano do Gorila. O anúncio foi feito na conferência sobre Vida Selvagem, que ocorre em Roma, na Itália.

O lançamento foi feito na presença do Príncipe Alberto de Mônaco. Pela proposta, os programas da ONU pretendem proteger a espécie, bem como o seu habitat, ao mesmo tempo que desenvolvem o bem estar e a situação económica das populações que vivem nas regiões africanas povoadas por gorilas.

Eco-Turismo

Especialistas da ONU consideram que o gorila poderá desaparecer em poucas décadas, se não forem tomadas medidas urgentes para a sua preservação.

De acordo com a ONU, a protecção deste animal selvagem está contemplada num conjunto de acções que vão desde o apoio aos governos, ao sector privado e à sociedade civil, através de medidas como a substituição do uso da madeira na construção de habitações por outros materiais, de forma a preservar o habitat dos gorilas.

A experiência realizada na RD Congo provou ser possível reduzir em 70% o uso de madeira na construção de habitações.

Café e Chá

Outro exemplo de protecção ao gorila que a ONU pretende ver repetido no próximo ano vem do Ruanda e do Uganda.

Estes dois países têm algumas das mais importantes populações de gorilas do continente e desenvolveram a indústria do eco-turismo relacionado com a protecção dos símios. De acordo com a ONU, o eco-turismo ultrapassou os dividendos que o Ruanda conseguia com a produção de café e de chá.

A ONU quer promover o envio de guias de eco-turismo para outros países onde há gorilas, para ajudar a desenvolver a indústria em Estados com o Gabão e noutros países da África ocidental.

Florestas

De acordo com a União Internacional para a Conservação das Espécies, Iucn, na sigla em inglês, três das quatro espécies de gorilas estão em risco de extinção.

Este organismo internacional afirma que restam hoje apenas mil gorilas da montanha em duas áreas distintas de África. Na região que engloba a RD Congo, o Ruanda e o Uganda e numa segunda zona que incluí os Camarões e a Nigéria.

Segundo a ONU, os maiores riscos que os símios correm prendem-se com a caça para alimentação e para uso na medicina tradicional mas também a rápida degradação das florestas onde vivem, que são queimadas para que os solos sejam usado na agricultura.