2,5 mil milhões de pessoas sem acesso a saneamento

2,5 mil milhões de pessoas sem acesso a saneamento

O Dia Mundial das Instalações Sanitárias, que se comemora esta quarta-feira, visa sensibilizar as pessoas sobre a ligação entre saneamento básico e outros direitos humanos elementares.

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O mundo celebra nesta quarta-feira, dia 19, o Dia Mundial das Instalações Sanitárias.

A data tem por principal objectivo sensibilizar as pessoas sobre a crise global de saneamento e as suas repercussões sobre outros direitos humanos fundamentais como o direito à saúde, educação e habitação.

Dignidade Humana

Segundo dados das Nações Unidas, 2,5 mil milhões de pessoas no mundo não tem acesso a instalações sanitárias.

Para a relatora independente da ONU para o direito à água e saneamento, Catarina de Albuquerque, o acesso ao saneamento básico é uma questão de direitos humanos e de dignidade humana.

Violência Física

“Quase 40% da população mundial não tem acesso à casas de banho, não tem acesso à instalações sanitárias. E isto faz com que estas pessoas muitas vezes não tenham acesso à escolas. As raparigas não vão à escola porque não tem casa de banho. As raparigas e as mulheres são as maiores vítimas de violência porque durante todo o dia não fazem as suas necessidades básicas, esperam pelo anoitecer, saem da aldeia para poderem fazer as suas necessidades atrás de um arbustro e são vítimas de violações, de violência física, etc. A falta de acesso a saneamento básico também tem repercussões muito graves no direito à saúde e no direito à habitação. Por isso há uma ligação enorme entre o saneamento básico e o gozo dos direitos humanos mais elementares”, disse.

O Dia Mundial das Instalações Sanitárias quer sensibilizar as pessoas sobre a importância do saneamento e suas repercussões sobre outros direitos humanos básicos.