Ban pede mais combate à violência contra mulher (Português para África)

25 novembro 2008

Secretário-Geral da ONU diz que países devem proteger população feminina e disse que tema tem que ser mais debatido.

João Rosário, da Rádio ONU em Nova Iorque

O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, lançou um apelo para que os países dediquem mais atenção ao cumprimentro das leis que devem proteger as mulheres.

Numa mensagem a propósito do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra Mulheres, o Secretário-Geral da ONU alertou para o facto de não ser possível contabilizar o número exacto de vítimas desta forma de desrespeito pelos direitos humanos.

Sistema de Justiça

Ban alertou para o facto de haver países em que as mulheres violadas são sujeitas a outro tipo de agressão que é o próprio sistema de justiça, uma vez que acabam por ser acusadas de adultério.

No quadro da campanha que assinala o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, em Moçambique, o Unifem está a apoiar as iniciativas de duas organizações, uma de mulheres agricultoras e outra de parteiras.

As organizações femininas têm previstas várias acções de sensibilização, como disse à Rádio ONU, de Maputo, a coordenadora do Unifem de Moçambique, Adélia Branco.

“Estas ONGs apresentaram propostas para desenvolverem atividades, palestras sobre violência contra a mulher, HIV/Sida, violência contra raparigas na escolas”, disse.

Segundo a coordenadora do Unifem, a violência física e moral são as formas mais habituais de sujeição das mulheres no país.

“Os problemas maiores são agressão, física e moral. Aqui existe uma prática de que as mulheres devem ser domesticadas, ser submetidas, submissas. E isto é um problema que está enraizado na cultura local”, afirmou.

As acções de sensibilização para a violência contra a mulher em Moçambique vão durar ao longo de 16 dias, a partir desta terça-feira.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud