África precisa de 14 milhões de professores, diz Unesco

África precisa de 14 milhões de professores, diz Unesco

Agência da ONU fala do problema de salários baixos e salas com demasiados alunos; Em Moçambique uma sala de aula pode ter até 60 alunos.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York*.

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, informou que o mundo precisa de mais 18 milhões de professores.

A falta de profissionais do ensino é maior em África, onde faltam quase 14 milhões de educadores.

Moçambique

O alerta foi feito para marcar o Dia Mundial do Professor, comemorado a 5 de Outubro.

A falta de professores no mercado compromete o alcance da Meta do Milénio de promoção da educação universal até 2015.

O estudo da Unesco revela que algumas das causas da ausência de professores em salas de aula são os baixos salários, o excesso de número de alunos e a falta de formação adequada e de estabilidade no emprego.

O problema é maior em países africanos como Moçambique e Ruanda, onde uma sala de aula pode ter até 60 alunos, ou três vezes mais que o recomendado por analistas para uma boa aprendizagem.

Oportunidade

Para debater formas de solucionar o problema, a Unesco está a promover nesta sexta-feira uma mesa redonda na sede da organização em Paris.

Além de especialistas em educação, participam do debate representantes da Organização Internacional do Trabalho, OIT, e do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef.

O Dia Mundial do Professor foi adoptado também como uma oportunidade de reflectir sobre as condições de trabalho para os que leccionam em todos os níveis do ensino.

Apresentação*: Cátia Marinheiro, Rádio ONU em Nova York.