Unesco condena assassinato de jornalista mexicano (Português para o Brasil)

Unesco condena assassinato de jornalista mexicano (Português para o Brasil)

Alejandro Xenón Fonseca Estrada apresentava o programa de rádio ‘O Padrinho’ que denunciava o crime organizado no país.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, Koïchiro Matsuura, condenou o assassinato do radialista mexicano, Alejandro Xenón Fonseca Estrada.

O jornalista, de 33 anos, apresentava o programa “O Padrinho” que denunciava o crime organizado no México.

Adesivos

Ele foi morto a tiros, em 23 de setembro, em Villahermosa, no distrito de Tabasco no sul do país.

Segundo testemunhas, Fonseca Estrada estava colando adesivos para criticar os casos de seqüestros no México quando foi morto. Os assassinos se aproximaram para perguntar ao radialista o que ele estava fazendo com os adesivos.

Para o diretor-geral da Unesco, Fonseca Estrada foi morto por defender o direito à liberdade de expressão. Matsuura afirmou que a liberdade de imprensa e discurso são fundamentais à democracia e ao Estado de direito.

O chefe da Unesco disse que confia que as autoridades mexicanas não pouparão esforços para levar os responsáveis pelo crime à Justiça.