Países africanos discutem saúde reprodutiva

Países africanos discutem saúde reprodutiva

Encontro promovido pelo Unfpa, em Moçambique, quer avaliar progresso do Programa Global de saúde reprodutiva.

Yara Costa, da Rádio ONU em Nova York.

O Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, promove esta semana um encontro em Maputo, Moçambique para discutir a forma como os países promovem o acesso aos contraceptivos, preservativos e medicamentos para tratar complicações durante o parto.

O Programa Global de Segurança de Bens e Produtos para a Saúde Reprodutiva, foi lançado em 2007, em cinco países africanos. Moçambique, Burkina Fasso, Etiópia, Madagáscar e Niger.

Escolha

O porta-voz do Unfpa em Moçambique, Amâncio Vilanculos, falou à Rádio ONU, de Maputo, sobre a escolha dos países participantes.

“A princípio aqueles países que apresentam para começar o programa, melhor estrutura, como por exemplo o facto de haver já um programa conjunto das Nações Unidas para esta área de saúde reprodutiva e que segundo o estudo que foi feito, são aqueles que podem produzir um programa sustentável. Esses países vão ser uma espécie de piloto para conseguir expandir este programa para outros países”, afirmou

O objectivo da reunião, é avaliar os progressos e delinear os avanços do programa nos cinco países da África Subsaariana.

Criação

Entres os pontos estão a criação de ferramentas e estratégias de advocacia para que os governos aceitem as abordagens preconizados pelo programa.

O Unfpa pretende criar condições a nível de políticas e aquisição e disponibilização dos produtos e bens através do seu parceiro do governo, o Ministerio da Saúde.

Muitos produtos como os preservativos por exemplo são subsidiados ou gratuitos. O programa é umas das iniciativas para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio e garantir do acesso universal à saude em 2015.

O encontro vai até esta sexta-feira.