Nações Unidas fazem balanço no cumprimento das Metas do Milénio

Nações Unidas fazem balanço no cumprimento das Metas do Milénio

Ban Ki-moon alertou para o facto de se estar a esgotar o tempo para alcançar os objectivos e pediu o empenho da comunidade internacional.

Cátia Marinheiro, Rádio ONU em Nova York.*

O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, está preocupado com os atrasos no cumprimento de compromissos estabelecidos para atingir as Metas do Milénio.

Durante a apresentação do relatório da Força-tarefa para o Cumprimento das Metas do Milénio, o Secretário-Geral da ONU afirmou que a concretização dos compromissos feitos pelos estados membros é deficiente e lento.

Apelo

Ban lembrou que o tempo para alcançar as metas já vai a meio do período de 15 anos fixado em 2000.

O Secretário-geral apelou à comunidade internacional para redobrar os esforços na luta contra a fome e a pobreza extrema, bem como para diminuir a mortalidade materna e infantil.

A técnica de estatística da ONU, Fábia Yazaki, falou à Rádio ONU, em Nova Iorque, e disse que no combate contra a SIDA, malária e tuberculose há progressos.

“Este relatório indica que o acesso a medicamentos para combater a SIDA, malária e tuberculose melhorou. Contudo, a disponibilidade de remédios essenciais ainda é bastante inadequada. No sector público, por exemplo, a oferta de medicamentos atende a apenas um terço da procura da população e o custo médio é 250% maior do que o preço de referência internacional”, afirmou.

Lacunas

Segundo Ban Ki-moon, as lacunas demonstradas pelo relatório apresentado nesta quinta-feira revelam que é necessária uma mudança drástica na quantidade e qualidade dos recursos usados para atingir as Metas do Milénio.

Entre essas lacunas, Ban destacou um défice de US$10 mil milhões na assistência para o desenvolvimento só no ano passado assim como a falta de consenso sobre o comércio internacional para que abra os mercados em benefício dos países pobres.

De acordo com o Secretário-Geral da ONU, é necessário que as contribuições aumentem em US$ 18 mil milhões por ano até 2010.

O relatório refere também que 33 dos 41 países mais pobres obtiveram ou estão em vias de obter o perdão das suas dívidas externas.

Este relatório vai ser discutido pelos chefes de Estado na Assembleia Geral da ONU que se realizará no dia 25 de Setembro em Nova Iorque.

Apresentação*: João Duarte, Rádio ONU em Nova York.