Moçambique pede parceria contra crise alimentar (Português para África)

Moçambique pede parceria contra crise alimentar (Português para África)

Presidente Armando Guebuza (foto) diz à Assembleia Geral que África precisa reforçar a Revolução Verde, lançada no seu país em 2007.

Mônica Villela Grayley, Rádio ONU em Nova York*.

O presidente de Moçambique, Armando Guebuza, disse às Nações Unidas que o seu país precisa de apoio internacional para responder à crise alimentar mundial.

No seu discurso na Assembleia Geral da ONU, em Nova York, Guebuza afirmou que o seu país lançou um Plano de Acção para a Produção de Alimentos no período de 2008 a 2011.

Autonomia

A iniciativa faz parte da Revolução Verde, iniciada no ano passado no país.

“Estamos conscientes de que a materialização deste plano, e da Revolução Verde, como um todo, irá necessitar de recursos adicionais. Por isso, apelamos ao apoio dos nossos parceiros de desenvolvimento para providenciarem recursos adicionais para estes programas. O efeito da Revolução Verde sobre os ODMs é por nós reconhecido, pois com fome ninguém pensa no amanhã, na educação ou na equidade do género e autonomia das mulheres”, afirmou.

Metas do Milénio

O presidente moçambicano afirmou que o país está a desenvolver programas sociais para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

Mas segundo Guebuza, o governo precisa de mais US$ 4 per capita por ano no sector de saúde entre agora e 2010, para alcançar as metas.

“A nossa avaliação mostra, por exemplo, que poderíamos reduzir a mortalidade materna em mais de 50%, alcançar um decréscimo de 17% na mortalidade infantil, melhorar significativamente o acesso aos anti-retrovirais e ao tratamento da tuberculose e da malária e ter até 2010, mais de 95% de mães e crianças a dormirem debaixo de uma rede mosquiteira tratada com insecticida.”, explicou.

Armando Guebuza terminou o discurso pedindo uma reforma nas Nações Unidas para responder melhor aos desafios actuais.

Apresentação*: Cátia Marinheiro, Rádio ONU em Nova York.