Nações Unidas fazem apelo de US$ 32 milhões para Djibouti

Nações Unidas fazem apelo de US$ 32 milhões para Djibouti

Alta no preço dos combustíveis agravou ainda mais situação do país africano; mais de 50% da população rural vive em pobreza extrema.

Samantha Barthelemy, Rádio ONU em Nova York.*

As Nações Unidas e o governo do Djibouti lançaram um apelo de US$ 32 milhões para programas de combate à pobreza no Djibouti, no leste de África.

De acordo com a ONU, o país atingido por anos de seca está ainda mais vulnerável com a alta nos preços do combustível e dos alimentos.

Avaliação

Segundo uma avaliação das Nações Unidas e do governo, houve grandes perdas no sector da agricultura e um aumento da má nutrição nas áreas rurais do país.

A situação também é critíca nas áreas urbanas, onde muitas famílias sobrevivem com apenas uma ou duas refeições por dia.

De acordo com a ONU, os fundos arrecadados irão ajudar mais de 150 mil pessoas vulneráveis à subnutrição, entre elas refugiados, candidatos a asilo e crianças.

Emergência

Os fundos também serão utilizados para melhorias nos sectores da água e de saneamento e para a prevenção de doenças em mais de 400 mil animais.

O Djibouti é um dos 12 países mais atingidos pela crise alimentar e que recebe ajuda do Fundo Central de Resposta a Emergências da ONU.

Segundo o subsecretário-geral da ONU para Assistência Humanitária, John Holmes, o fundo tem sido parte integrante da resposta às emergências causada pela crise dos alimentos.

Desde a sua criação em 2006, o fundo disponibilizou cerca de US$ 900 milhões, para agências da ONU e acções de resgate que beneficiaram dezenas de milhares de pessoas em 62 países.

Apresentação*: João Duarte, Rádio ONU em Nova York.