ONU apela à normalidade constitucional na Mauritânia

ONU apela à normalidade constitucional na Mauritânia

Enviado da ONU pede respeito pelos direitos humanos e a libertação do presidente Abdallahi.

João Duarte, Rádio ONU em Nova York.

O principal enviado das Nações Unidas para a África Ocidental, Said Djinnit, apelou ao retorno imediato à normalidade constitucional na Mauritânia depois de terminar uma visita de três dias ao país.

A Mauritânia sofreu um golpe de Estado, praticado por militares em 6 de Agosto. O golpe depôs o presidente, Sidi Mohammed Ould Cheik Abdallahi, e o primeiro-ministro. Os dois foram presos, mas o primeiro-ministro foi libertado na segunda-feira.

Encontro

Os militares anunciaram a formação de um conselho de Estado para governar o país.

Durante a visita, o representante do Secretário-Geral encontrou-se com o general Mohamed Ould Abdelaziz, o novo líder do conselho de Estado.

Djinnit apelou às autoridades no sentido de respeitarem as suas obrigações internacionais, nomeadamente os direitos humanos e apelou à libertação do presidente Abdelaziz que ainda se encontra detido.

Consultas

O representante especial realizou consultas com membros do governo, vários partidos políticos e representantes da sociedade civil.

Abdallahi foi eleito democraticamente em Junho do ano passado substituindo um governo de dois anos no país do noroeste de África.