Tolerância zero sobre abusos sexuais

Tolerância zero sobre abusos sexuais

Comandante da Missão da ONU na RD Congo (foto) disse que mau comportamento de um soldado acaba por comprometer todos.

João Duarte, Rádio ONU em Nova York.

A Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo, Monuc, anunciou esta quarta-feira que está empenhada na política de tolerância zero perante alegações de abusos sexuais.

As afirmações foram feitas em Nova Iorque pelo tenente-general, Babacar Gaye, numa entrevista a jornalistas.

Disciplina Máxima

A missão liderada por ele foi alvo de uma investigação interna após alegações de casos de exploração e abuso sexuais por parte de capacetes azuis.

Na terça-feira, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, divulgou uma nota pedindo à Índia que apure as alegações. Ban disse que, caso sejam provadas, os soldados devem ser submetidos à disciplina máxima permitida pelas leis indianas.

Mau comportamento

Gaye disse que o mau comportamento de um soldado compromete a imagem de toda a força.

O comandante lembrou que as Nações Unidas têm uma política de tolerância zero contra abusos sexuais e outras formas de exploração por parte de soldados de manutenção da paz.

Segundo ele, é importante ver as autoridades dos países envolvidos na força de manutenção de paz tomarem medidas para punir todos os culpados de abusos.

Investigação

Numa declaração lida pelo seu porta-voz, Ban Ki-moon, afirma que o governo indiano assegurou às Nações Unidas que as alegações seriam investigadas e, caso se confirmem, seriam tomadas medidas exemplares.

A Monuc foi criada em 1999 e conta com 17 mil homens na República Democrática do Congo. É umas das maiores missões de manutenção de paz no mundo.