Projecto em Moçambique tenta combater má nutrição

Projecto em Moçambique tenta combater má nutrição

Mães Modelo ensina melhores formas de alimentar crianças; segundo o Unicef 41% de menores de 5 anos de idade sofrem de má nutrição.

João Duarte, Rádio ONU em Nova York.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, em Moçambique, informou que cerca de 41% das crianças com menos de 5 anos de idade, no país, sofrem de má nutrição.

De acordo com a agência da ONU, em grande parte dos casos, a má nutrição pode ser causada devido a acesso inadequado a educação nutricional.

Mercados Locais

A técnica de nutrição em Maputo, Anabela Muchuza, afirmou que muitas mães não sabem como preparar uma refeição nutritiva para os seus filhos.

Para combater o problema, a iniciativa Mães Modelo, apoiada pelo Unicef, decidiu ensinar às mães como alimentar os seus filhos da forma mais eficiente.

O objectivo do grupo é ajudar as mães a usarem melhor os alimentos encontrados nos mercados locais.

Nesta entrevista à Rádio ONU, de Maputo, o coordenador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em Moçambique, Luís Zaqueu, disse que a crise alimentar também tem um impacto sobre a má nutrição no país.

Receio

“Esta dependência do mercado internacional para sustentar o povo, é o que cria agora um certo problema, não só para a população rural, mas também para a população urbana. E existe até um certo receio em Moçambique, que isto possa reverter os ganhos que têm sido feitos nos últimos anos em termos de redução da pobreza em que já tinhamos conseguido mais ou menos 51,5% e que, se não se reverter a situação alimentar, poderemos voltar a subir portanto a 58% ou 60% nos próximos dois ou três anos,” disse.

Segundo o Unicef, a crise alimentar pode exacerbar os problemas nutricionais, levando muitas famílias a optarem por alimentos mais baratos e menos nutritivos.

De acordo com a agência da ONU, isto pode causar deficiências de vitaminas e minerais, atingindo principalmente crianças pequenas.

Em resposta, o Unicef investiu US$ 3 milhões em apoio ao programa de nutrição do governo de Moçambique.