Passar para o conteúdo principal

Situação no Zimbabué é “perversão da democracia”

Situação no Zimbabué é “perversão da democracia”

Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos (foto) diz que justiça e responsabilização são resposta certa contra violência.

João Duarte, Rádio ONU em Nova York.

A Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, Louise Arbour, afirmou esta quinta-feira que justiça e responsabilização são a resposta adequada à campanha de violência política que atingiu o processo eleitoral no Zimbabué.

Segundo a alta comissária, ocorrem no país sérias violações de direitos humanos acompanhadas de impunidade.

Justiça

O porta-voz da alta comissária, Yvon Edoumou, falou à Rádio ONU, de Genebra, e disse que Louise Arbour apela para que seja feita justiça.

Para Arbour, os casos mais graves envolvem grupos ligados ao partido no poder, Zanu-FP, e em alguns casos o principal partido da oposição MDC, Movimento para Mudança Democrática.

Perversão

Arbour descreveu a situação no Zimbabué como uma “perversão da democracia” afirmando que a violência é inaceitável.

As declarações da alta comissária surgem na véspera da segunda volta das eleições presidenciais previstas para esta sexta-feira.

O candidato da oposição, Morgan Tsvangirai, anunciou no domingo a sua desistência do pleito afirmando que teme pela segurança dos seus simpatizantes.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, afirma que as eleições deveriam ser adiadas e apelou às autoridades para não realizarem o pleito na data prevista.