Lentidão em Mianmar

Lentidão em Mianmar

Secretário-Geral pediu a governo birmanês que coloque vida de seus cidadãos em primeiro lugar.

Mônica Villela Grayley, Rádio ONU em Nova York*.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu ao governo de Mianmar, a antiga Birmânia, que aja rápido para garantir o socorro às vítimas do ciclone Nargis.

Ban falou a jornalistas em Nova York.

Vidas

Segundo ele, não se trata de política, mas sim de salvar vidas e por isso não há mais tempo a perder.

Segundo agências de notícias, o governo birmanês estaria negando visto de entrada a trabalhadores de agência humanitária.

De acordo com a TV estatal, o número de mortos subiu para 34 mil, e o de afetados pelo ciclone já ultrapassa 1,5 milhão de pesssoas.

Primeiro Lugar

Ban pediu ao governo birmanês que coloque os cidadãos de Mianmar em primeiro lugar.

O Secretário-Geral disse que pede em termos mais veementes que o governo coloque o povo primeiro e faça o que tiver a seu alcance para evitar que este desastre se torne numa crise ainda maior.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, informou que o volume de comida que entrou em Mianmar não é sequer 10% do necessitado pelas vítimas.

Sinais

Ban lembrou, no entanto, o que ele chamou de alguns sinais de esperança como a ajuda humanitária, por via aérea, que chegou a Mianmar no fim de semana e nesta segunda-feira.

Ban afirmou que apesar de ter ligado várias vezes para o líder da junta militar que governa Mianmar, general Than Shwe, não conseguiu contato como chefe de Estado.

Ban contou que não conseguiu falar com o líder birmanês, e por isso decidiu escrever a segunda carta a Shwe.

Sanções

Perguntado por um jornalista se era a favor de sanções ao governo birmanês por causa da situação atual, o Secretário-Geral da ONU respondeu:

Ban afirmou que a decisão de discutir a situação em Mianmar cabe ao Conselho de Segurança. E que ele, enquanto Secretário-Geral está se concentrando em levar ajuda humanitária o mais rápido possível aos afetados pelo ciclone.

Apresentação*: Eduardo Costa, Rádio ONU em Nova York.