Sobem casos de HIV em África, diz Banco Mundial

14 maio 2008

Relatório defende aumento nos esforços de prevenção para inverter actual tendência.

João Duarte, Rádio ONU em Nova York.

O Banco Mundial lançou esta quarta-feira um relatório no qual afirma que os países africanos devem continuar a promover os esforços de prevenção a fim de abrandarem ou inverterem o aumento nas infecções por HIV/Sida.

Segundo o documento, o continente africano permanece o epicentro global da doença, em particular a África Subsaariana.

Mulheres

Pelo relatório, cerca de 22,5 milhões de africanos estão infectados com HIV. Mais de 60% dos infectados são mulheres.

De acordo com os estudos, por cada pessoa que inicia tratamento anti-retroviral, quatro a seis pessoas são infectadas.

O especialista em Sida da Organização Mundial de Saúde, Marco Vitória, disse à Rádio ONU, de Genebra, que tratamento e prevenção vão de mãos dadas.

Acções

“Para conseguirmos realmente atingir o controlo dessa epidemia é necessário que as acções que têm sido feitas com relação ao tratamento continuem sendo feitas e estimuladas até em nível mais alto e que acções de prevenção sejam promovidas de uma forma equilibrada, ou seja, tratamento e prevenção têm que ser vistas como duas faces de uma mesma moeda”, disse.

Dados contidos no relatório sugerem que apesar de alguns ganhos regionais em países como o Zimbabué, Malawi, Botswana e Gana, as taxas de infecção permanecem elevadas.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud