Sobem casos de HIV em África, diz Banco Mundial

Sobem casos de HIV em África, diz Banco Mundial

Relatório defende aumento nos esforços de prevenção para inverter actual tendência.

João Duarte, Rádio ONU em Nova York.

O Banco Mundial lançou esta quarta-feira um relatório no qual afirma que os países africanos devem continuar a promover os esforços de prevenção a fim de abrandarem ou inverterem o aumento nas infecções por HIV/Sida.

Segundo o documento, o continente africano permanece o epicentro global da doença, em particular a África Subsaariana.

Mulheres

Pelo relatório, cerca de 22,5 milhões de africanos estão infectados com HIV. Mais de 60% dos infectados são mulheres.

De acordo com os estudos, por cada pessoa que inicia tratamento anti-retroviral, quatro a seis pessoas são infectadas.

O especialista em Sida da Organização Mundial de Saúde, Marco Vitória, disse à Rádio ONU, de Genebra, que tratamento e prevenção vão de mãos dadas.

Acções

“Para conseguirmos realmente atingir o controlo dessa epidemia é necessário que as acções que têm sido feitas com relação ao tratamento continuem sendo feitas e estimuladas até em nível mais alto e que acções de prevenção sejam promovidas de uma forma equilibrada, ou seja, tratamento e prevenção têm que ser vistas como duas faces de uma mesma moeda”, disse.

Dados contidos no relatório sugerem que apesar de alguns ganhos regionais em países como o Zimbabué, Malawi, Botswana e Gana, as taxas de infecção permanecem elevadas.