Mortalidade Infantil na Guiné-Bissau

Mortalidade Infantil na Guiné-Bissau

Ex-representante do Unicef no país, Jean Dricot, diz que 20% de crianças morrem antes dos cinco anos de idade.

João Duarte, Rádio ONU em Nova York.

O ex-representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, na Guiné-Bissau, Jean Dricot, disse que os índices de mortalidade infantil no país são inaceitáveis.

De acordo com Dricot, em cada mil crianças, 200 morrem antes de completarem cinco anos de idade.

Os dados fazem parte do relatório global do Unicef sobre mortalidade infantil, publicado a 20 de março.

Comunidade

A delegada de informação do Unicef em Bissau, Karyna Gomes, afirma que as acções de saúde na comunidade são o caminho a seguir para diminuir a taxa de mortalidade infantil.

“Nós estamos entre os 15 países com maior taxa de mortalidade infantil e chega-se à conclusão de que a melhor forma de solucionar este problema é levar a saúde à comunidade através da estratégia avançada. É preciso entregar um determinado pacote de saúde avançado que inclui o aleitamento materno exclusivo, a distribuição de mosquiteiros impregnados e a vacinação de rotina”, disse.

Inaceitável

Mesmo com uma das taxas mais elevadas de mortalidade infantil no mundo, o Unicef na Guiné-Bissau acredita que há esperança na melhoria da situação do país através de uma acção coordenada entre as autoridades e a sociedade civil.