Soldados rebeldes se entregam no Timor-Leste (Português para o Brasil)

Soldados rebeldes se entregam no Timor-Leste (Português para o Brasil)

Chefe da Missão da ONU no país, Atul Khare, afirma que chegou a hora da justiça; grupo é acusado de atentato contra presidente Ramos-Horta.

Mônica Villela Grayley, Rádio ONU em Nova York.

A Missão Integrada das Nações Unidas no Timor-Leste, Unmit, informou que o líder de um grupo de soldados rebelados, Gastão Salsinha, se entregou à polícia em Díli, capital do país.

Salsinha rendeu-se ao lado de outros 11 soldados, que estavam se refugiando nas montanhas do Timor desde uma rebelião em abril de 2006.

Atentado

Em 11 de fevereiro, o grupo foi acusado de praticar um atentado contra o primeiro-ministro Xanana Gusmão e o presidente do Timor, José Ramos-Horta.

O presidente, ainda se recuperando, dos tiros que levou, assistiu à entrega de Salsinha. O vice-primeiro-ministro José Luis Guterres disse que o ato foi um momento histórico.

Salsinha, ex-tenente do exército, assumiu o comando dos rebeldes após a morte do número 1 do grupo, Alfredo Reinado, durante o ataque ao presidente timorense.

Futuro

O presidente e Prêmio Nobel da Paz, José Ramos-Horta, disse que perdoa os rebeldes, mas o futuro deles pertence à justiça.

“A justiça tem que ser feita. Eles têm que ir ao tribunal explicar o porquê de suas ações em 11 de fevereiro. Eles têm que dizer quem lhes deu armas, uniformes, dinheiro, meios de comunicação e telefone ao longo destes meses todos. Em relação à pessoa que tentou me assassinar, eu perdôo como cristão, como ser humano. Como chefe de Estado, eu digo que eles têm que enfrentar a justiça”, afirmou.

O representante especial do Secretário-Geral para Timor Leste, Atul Khare, elogiou a rendição pacífica de Gastão Salsinha e de outros rebeldes. Ele disse que chegou o momento de enfrentarem a justiça.

Khare elogiou também a forma como as autoridades trataram os eventos dentro da constituição.