Mulher sofre mais com emprego precário BR

Mulher sofre mais com emprego precário

Segundo relatório da OIT, metade das trabalhadoras do mundo estão em postos vulneráveis e mal pagos.

Eduardo Costa, da Rádio ONU em Nova York.

Um relatório da Organização Mundial do Trabalho, OIT, sugere que a presença de mulheres no mercado de trabalho aumentou cerca de 18% nos últimos 10 anos.

A OIT afirma que metade dessas trabalhadoras tem empregos vulneráveis e mal pagos.

A especialista em Igualdade de Gênero da OIT, Albertina Jordão, falou à Rádio ONU, de Lisboa, sobre o significado de trabalho precário.

"O trabalho digno implica um trabalho com direitos, com direito à proteção, sem discriminação. E, de fato, quando nós olhamos para os últimos dados da OIT, o que podemos observar é que há uma correlação muito grande entre a pobreza e a desigualdade no trabalho. Podemos dizer que a pobreza é um dos maiores aliados dessa desvantagem que efetivamente as mulheres têm no mercado de trabalho", disse.

América Latina

O relatório da OIT revela que na América Latina, 64,6% das mulheres são remuneradas e assalariadas, 25,5% delas estão no setor informal, 7,1% atuam nos negócios familiares e só 2,7% são empregadoras.

A publicação do documento faz parte das comemorações do Dia Internacional da Mulher que se celebra neste sábado.