Moçambique: Dia Internacional da Mulher

Moçambique: Dia Internacional da Mulher

Jorge Soares, da Rádio ONU em Nova York.

O Fundo das Nações Unidas para o Desenvolvimento da Mulher, Unifem, promete em 2008 reforçar suas actividades no combate à violência contra a mulher.

O Unifem participa de uma campanha internacional denominada “Diga Não à Violência” que também está a ser levada a cabo em Moçambique.

Violência

Leia o boletim do repórter da Rádio ONU, Arão Dava, de Maputo.

“O Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher, Unifem, revela que apesar dos esforços do governo e da sociedade civil a situação da mulher em Moçambique continua difícil.

O mais recente estudo da ONU sobre a violência contra a mulher em Moçambique, indica que pelo menos uma em cada três mulheres sofreu algum tipo de violência durante sua vida.

A directora nacional do Unifem no país, Adelia Branco, disse à Rádio ONU, que a situação pode ser pior uma vez que muitas mulheres não têm coragem de revelar as agressões que sofrem.

Intimidação

'Talvez os índices sejam muito mais altos porque muitas mulheres se sentem intimidadas e não relatam o que acontece', afirmou.

Com vista a reverter o cenário, a agência da ONU em Moçambique juntou-se em Novembro à campanha ‘Diga Não à Violência contra a Mulher’.

Segundo a coordenadora do Unifem Moçambique, Ondina da Berca Vieira a campanha consiste em buscar recursos para o desenvolvimento de actividades contra a mulher.

Campanha

‘A campanha é simples, é através de assinaturas que são recolhidas via internet. Um click equivale a US$ 1 para esta campanha. Foi lançado um desafio ao Unifem pelo Fundo das Nações Unidas que consiste em conseguir 100 mil assinaturas, o que pode equivaler a US$ 100 mil dólares”, disse.

Para alem da violência, a directora Nacional do Unifem afirma que a mulher em Moçambique é a principal vítima da pobreza e do HIV-SIDA.

‘Aqui em Moçambique, a situação da mulher é um pouco difícil. A desigualdade de género é grande e a questão da feminização da pobreza é muito contundente. O Unifem está apoiando projectos e esperamos que com esse trabalho - que está sendo desenvolvido com o governo e com a sociedade civil -, possamos avançar e promover a melhoria de qualidade de vida de mulheres e homens em Moçambique’, assegurou.

Avanços

Apesar das dificuldade, o Unifem elogia os avanços conseguidos por Moçambique na participação política.

Esta melhoria é confirmada pelas mulheres ouvidas pelas Rádio ONU, nas ruas de Maputo.

Segundo o Unifem, o combate à violência contra a mulher será a prioridade deste ano.