Fim da impunidade crucial à paz no Quénia

Fim da impunidade crucial à paz no Quénia

Conclusão partiu de relatório de missão de Direitos Humanos, que avaliou causas da violência pós-eleitoral em Dezembro.

João Duarte, da Rádio ONU em Nova York.

Um relatório do Alto-Comissariado de Direitos Humanos da ONU para os Direitos Humanos sugere que uma maior responsabilização e o fim da impunidade no Quénia são fundamentais para o processo de reforço da reconciliação no país.

Mais de 1,2 mil pessoas morreram em confrontos no Quénia durante uma onda de violência causada por protestos contra a reeleição do presidente Mwai Kibaki.

A missão, que durou três semanas, foi enviada ao Quénia no mês passado para avaliar as causas dos confrontos.

Segundo o grupo, irregularidades durante o processo eleitoral teriam sido o motivo da violência, além da discrinação, da pobreza e o que a missão chamou de privação dos direitos políticos.

A violência no Quénia chegou ao fim após um acordo de partilha do poder entre o presidente Mwai Kibaki e o líder da oposição, Raila Odinga, derrotado nas eleições. Odinga ocupa agora o cargo de premiê queniano.

Partilha de poder

O relatório elogiou o acordo firmado dia 28 de Fevereiro enquanto parte do processo de reconciliação e diálogo nacional no Quénia.

Segundo o documento, a não-implementação das reformas poderá fragilizar as melhorias na segurança entretanto alcançadas após a assinatura do acordo de partilha de poder.