Rocinha luta contra tuberculose

Rocinha luta contra tuberculose

Enviado especial, Jorge Sampaio, disse que favela do Rio de Janeiro tem engajamento comunitário eficiente de prevenção da doença.

Mônica Villela Grayley, Rádio ONU em Nova York.

O enviado especial das Nações Unidas para o Combate à Tuberculose, e ex-presidente de Portugal, Jorge Sampaio (foto), afirmou que a ação de moradores da Rocinha, no Rio de Janeiro, tem ajudado, de forma eficiente, no combate à tuberculose.

Sampaio falou com exclusividade à Rádio ONU sobre uma visita que fez à Rocinha em dezembro.

HIV

"Achei extraordinário que houvesse trabalhadoras da comunidade que tinham o mapa da Rocinha completamente feito numa grande divisão de zonas da sua própria atividade e, portanto, com as pessoas marcadas que têm tuberculose e que elas iam ver se, todos os dias, estavam a tomar efetivamente os remédios. A noção de que existe e de que é tratável, a noção de que é preciso ser detectada tem muito a ver com a combinação dos fatores que rodeiam a criação e sustentabilidade dos serviços de saúde mas, ao mesmo tempo, também com trabalho comunitário", disse.

De acordo com o ex-presidente português, a forma ultraresistente da tuberculose, MDR-TB, atingiu um número recorde de pacientes com mais de 400 mil casos em 2006.

Diariamente, a doença mata cerca de 4,5 mil pessoas em todo o mundo.

Jorge Sampaio lembrou que a combinação de tuberculose e Aids é mais grave na África Subsaariana.

Fórum Global

Em todo o mundo, cerca de 700 mil pessoas com HIV contraíram a doença em 2006.

O enviado especial da ONU pediu à comunidade internacional que redobre os esforços contra a doença.

Em junho, líderes de todo o mundo se reunirão, em Nova York, para um Fórum sobre Tuberculose e HIV.

As Nações Unidas marcaram o Dia Mundial da Luta contra a Tuberculose na segunda, 24 de março.