Nações Unidas pedem fim da violência no Quênia
BR

1 fevereiro 2008

Ban disse, em Nairóbi, que mortes de mais de 800 pessoas e destruição no país após resultado de eleições são tragédia inaceitável.

Deputados assassinados

Ban Ki-moon apelou à população e aos líderes políticos do Quênia a assumir a responsabilidade de reverter o que ele chamou um caminho trágico antes que o mesmo se escale nos horrores de assassinatos em massa.

Ban fez uma viagem de emergência ao Quênia após a escalada da violência pós-eleitoral. Ele se reuniu com o o líder da oposição, Raila Odinga, que contestou a vitória do presidente Mwai Kibaki no pleito de dezembro.

Somente nesta semana, dois deputados da oposição foram assassinados.

A analista-sênior de Política das Nações Unidas, Valerie de Campos Mello, disse à Rádio ONU, em Nova York, que além do motivo político, a crise também tem aspectos sociais.

Casas Queimadas

O subsecretário-geral do Departamento de Assuntos Políticos, Lynn Pascoe, foi ao Conselho de Segurança fazer um relato da violência no Quênia.

Ele contou que casas estão sendo queimadas, e a tensão entre as etnias Kikuyu, do presidente Kibaki, e Luo, do oposicionista Odinga, tem aumentado nos últimos dias.

Segundo o Escritório de Assistência Humanitária das Nações Unidas, Ocha, cerca de 290 mil pessoas ficaram desabrigadas por causa dos combates.

Na quarta-feira, um grupo de ativistas femininas entregou ao ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan um documento relatando o aumento do número de casos de violência sexual contra mulheres por causa dos confrontos.

Annan está no Quênia para intermediar negociações entre o governo e a oposição.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud