Enchentes causam mais de 52 mortes na Bolívia BR

Enchentes causam mais de 52 mortes na Bolívia

Mais de 2 mil e 500 famílias foram obrigadas a deixar suas casas e estão vivendo em acampamentos, diz PMA.~~

Marco Alfaro, da Rádio ONU em Nova York.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, revelou que pelo menos 52 pessoas morreram vítimas de cheias na Bolívia nos últimos três meses.

Segundo agências das ONU, as inundações já afetaram mais de 55 mil famílias, e destruíram 24 mil hectares de plantações.

O governo boliviano declarou estado de emergência no departamento de Beni, no nordeste, e de Cochabamba e de Santa Cruz, no centro do país.

O PMA está fornecendo 10 toneladas de biscoitos vitaminados aos desalojados.

Áreas afetadas

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, doou 14 mil porções de comida infantil.

A representante do PMA, Victoria Ginja, falou à Rádio ONU, de La Paz, na Bolívia, sobre a situação nas áreas mais afetadas.

"O departamento com a situação mais crítica é o departamento de Bene. O nível das águas vem aumentando nos últimos quatro dias. Em termos da dimensão do desastre, em nível humano, estamos a falar de 25% da população de Trinidad que está completamente afetada e Trinidad tem 100 mil habitantes", disse.

Acampamentos

Segundo o PMA, cerca de 2,5 mil famílias foram obrigadas a deixar suas casas e estão vivendo em acampamentos.

Ginja destaca que foram liberados quase US$ 2 milhões, cerca de R$ 3,6 milhões, do Fundo da Central de Resposta a Emergências, Cerf, para atendimento imediato das populações.

"Isso vai nos permitir poder responder nestes primeiros três meses, até Abril, fundamentalmente nos setores de proteção, sobretudo proteção às crianças e mulheres, o setor da água, da saúde, de alimentação e a própria gestão dos acampamentos", disse.

As agências da ONU estimam que seriam necessários US$ 14 milhões, cerca de R$ 25 milhões, para atender as vítimas deste desastre natural.