ONU marca Dia Internacional da Língua Materna

ONU marca Dia Internacional da Língua Materna

Com aproximadamente 12 milhões de habitantes, Angola possui mais de 20 línguas maternas.

Julia Assef, da Rádio ONU em Nova York*.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, Unesco, marca neste 21 de Fevereiro, o Dia Internacional da Língua Materna.

Neste mesmo dia, a organização inaugura o Ano Internacional dos Idiomas, proclamado pela Assembleia Geral da ONU.

A língua portuguesa é falada por mais de 200 milhões de pessoas, distribuídas em oito países. Entre eles, Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde e Timor-Leste.

Língua oficial

No caso das ex-colônias portuguesas na África e na Ásia, o português é a língua oficial, mas não a língua materna. Em Cabo Verde, por exemplo, o crioulo é a língua mais usada.

O embaixador de Cabo Verde nas Nações Unidas, António Monteiro Lima, falou à Rádio ONU, sobre a relação entre o crioulo cabo-verdiano e o português.

“O léxico é muito português, mas a estrutura gramatical da língua tem muito a ver com as línguas africanas. Então há aí um processo histórico, lento, linguístico que faz com que o português misturando-se com estas várias línguas dá o crioulo", disse.

Comunicação

Com aproximadamente 12 milhões de habitantes, Angola possui mais de 20 línguas maternas. O adido de imprensa, Xavier Rosa, disse a Rádio ONU que, muitas vezes, é a língua portuguesa que serve de veículo de comunicação entre os cidadãos.

"Devido mesmo à inexistência de uma língua mais abrangente em todo o território, comunicamos em português quando temos que tratar determinados assuntos oficiais. Agora nos círculos mais restritos, com pessoas da mesma origem, podemos eventualmente falar num dialecto", disse.

Já no Timor-Leste, as línguas oficiais são o português e o tétum. No entanto, a língua portuguesa vem perdendo espaço. O país asiático foi anexado pela Indonésia na década de 1970. O embaixador do Timor nas Nações Unidas, Nelson Santos, contou à Rádio ONU, que os indonésios consideravam o português o idioma da resistência.

“Os indonésios consideravam o português como uma língua de resistência. Por isso, a geração que cresceu sob o regime indonésio foi forçada a não falar a língua portuguesa e isso teve um impacto enorme porque a maioria vivia nas cidades e nas vilas. Na resistência manteve-se o uso da língua portuguesa que era utilizada entre os guerrilheiros”, disse.

Integração da música

Apesar das diferenças de sotaques, os países que falam português são unificados na cultura. É com esse propósito que o músico brasileiro Martinho da Vila trabalha, há mais de 30 anos, na integração da música e da cultura desses países.

Martinho contou à Rádio ONU, do Rio de Janeiro, sobre a importância desse intercâmbio cultural.

"O conhecimento é que leva ao desenvolvimento, ao entendimento, a essas coisas todas. E aqui no Brasil, quando eu comecei a fazer essas coisas, quase não tinha informação sobre países africanos. Aí, eu comecei a fazer isso que é muito importante", disse.

A estimativa da Unesco é de que metade das cerca de 6,7 mil línguas oficiais pode desaparecer. Segundo a organização, a cada duas semanas, uma delas deixa de ser praticada.

*Apresentação: Helder Gomes