Cheias em Moçambique

Cheias em Moçambique

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades de Moçambique, afirma que 284 mil pessoas foram afectadas pelas inundações, que já duram duas semanas.

De acordo com as autoridades moçambicanas, 171 pessoas resgatadas das cheias na bacia do Pungoe no distrito de Dondo, em Sofala, regressaram na passada quarta-feira às suas casas.

“A falta de condições logísticas nos centros de reassentamento está na origem do regresso.

Os retornados foram identificados no processo de monitoramento em curso nas principais bacias hidrográficas que se encontram com níveis altos na região centro do país.

Segundo Ribeiro, situações deste carácter comprometem os esforços das autoridades para prevenir ocorrência de mortes provocadas pelas cheias.

Prevenção

O Centro Nacional Operativo de Emergência revelou que a retirada dos regressados será, desta vez, feita numa base compulsiva através da Unidade Nacional de Protecção Civil que já entrou em acção.

João Ribeiro insta os parceiros de cooperação nacional e internacional no sentido de se posicionarem no terreno, para reduzir o impacto das inundações.

Os rios Buzi, Licungo, Pungoe e Save continuarão a registar subidas de níveis higrométricos a montante, na sequência das chuvas que se registam no Zimbabué.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, enviou uma equipa de especialista para o terreno para avaliar o impacto das cheias e as necessidades das famílias".

Reportagens e Destaques

Apresentação: Jorge Soares

Reportagem: Arão Dava

Produção: Helder Gomes e Eduardo Costa

Direção Técnica: Peter Kurisco