ONU marca Dia Internacional contra Corrupção

ONU marca Dia Internacional contra Corrupção

Para marcar o dia, o Unodc lançou a campanha “Cada Não Conta” contra este tipo de crime.

Jorge Soares, da Rádio ONU em Nova York.

O Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime, Unodc, afirmou que o mundo está ficando mais intolerante a actos de corrupção.

A declaração foi feita no lançamento da campanha “Cada Não Conta” contra este tipo de crime para marcar o Dia Internacional contra Corrupção, que se comemora neste domingo.

Convenção

Uma das iniciativas do Unodc permite pesquisar, localizar e repatriar recursos desviados.

A consultora-sênior do Unodc, Sandra Valle, disse à Rádio ONU, de Viena, na Áustria, que a Convenção da ONU permite o ressarcimento.

“Quando se trata de corrupção, a nossa Convenção diz que o dinheiro deve ser integralmente, 100%, devolvido ao país de origem. Porque vem exactamente aquele aspecto que seria imoral algum outro país ter um percentual de um dinheiro que foi tirado do povo”, disse.

Sistema Judicial

Valle afirmou que falta de um aparato judicial forte contribui para o fortalecimento da corrupção em África.

Ela apresentou o caso da Guiné-Bissau, país que carece de instalações prisionais.

“Nós visitamos uma casa que eles usam como prisão mas nem grades tem. Se eles quisessem sair, eles podiam porque não tinha ninguém para controlar e nenhuma grade. Ao conversarmos com esses ditos prisioneiros, eles simplesmente eram casos de homicídio, lesão corporal, briga com vizinho, até casos de pedofilia. Mas não havia nesse estabelecimento quem fosse narcotraficante”, contou.

Em Setembro, o Banco Mundial e o Escritório da ONU contra Drogas e Crime, Unodc, lançaram uma iniciativa para ajudar países em desenvolvimento a recuperar dinheiro desviado em actos de corrupção.

O programa pretende utilizar o dinheiro para financiar programas de desenvolvimento.

O Unodc afirma que o dinheiro gerado por corrupção e evasão fiscal ultrapassa US$ 1,6 mil milhões de dólares.

Somente na África mais de US$ 148 biliões são desviados anualmente por líderes corruptos.