Combate à violência no Timor passa pela conciliação (Português para o Brasil)

Combate à violência no Timor passa pela conciliação (Português para o Brasil)

Secretário-Geral da ONU falou ao Parlamento durante 1ª. visita oficial ao país; Ban elogiou o processo de democracia e sucesso das eleições.

Mônica Valéria Grayley & Jorge Soares, da Rádio ONU em Nova York.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que o combate à violência no Timor-Leste depende do fortalecimento dos esforços conciliatórios. Ele se reuniu com o premiê Xanana Gusmão e com o presidente José Ramos-Horta.

Ban falou a jornalistas, na sede da Missão Integrada das Nações Unidas no Timor, Unmit, durante sua primeira visita oficial ao país.

Queda na criminalidade

O Secretário-Geral elogiou o trabalho das forças policiais timorenses e da Unpol, a polícia da ONU no Timor.

Ele disse que os esforços da polícia contribuíram para melhorar a situação da segurança no país.

Segundo Ban, por causa deste trabalho, houve uma queda no casos de crimes violentos.

Unmit

O embaixador do Timor-Leste nas Nações Unidas, Nelson Santos, disse à Rádio ONU, de Díli, que Ban Ki-moon prometeu falar com o Conselho de Segurança sobre a renovação do mandato da Unmit.

“O Secretário-Geral, depois de ver a realidade no terreno, está bastante sensível ao pedido dos timorenses para uma extensão do mandato das Nações Unidas. Prometeu que iria falar com os membros do Conselho de Segurança para também sensibilizá-lo a continuar já sobre a situação de Timor-Leste”, disse.

As autoridades timorenses querem que a Unmit fique no país pelo menos até 2012.

Antes da entrevista, Ban discursou no Parlamento, em Díli, e elogiou as eleições, realizadas neste ano, para presidente e primeiro-ministro.

Ele sugeriu a via pacífica e democrática para resolver diferenças e pediu a toda a liderança timorense, para trabalhar em conjunto em defesa dos interesses coletivos.