Trabalhadoras humanitárias sequestradas na Somália

26 dezembro 2007

O representante especial da ONU, Ahmedou Ould-Abdallah (foto), apelou à libertação das trabalhadoras.

Jorge Soares, da Rádio ONU em Nova York.

O representante especial da ONU para Somália, Ahmedou Ould-Abdallah (foto), apelou à libertação de duas trabalhadoras da ONG Médicos Sem Fronteiras, sequestradas no país.

As vítimas, uma médica espanhola e uma enfermeira argentina, teriam sido capturadas por seis homens armados num edifício da ONG em Puntland, no nordeste da Somália.

Ould-Abdallah disse estar chocado com o sequestro de pessoas que realizam funções humanitárias e se esforçam pela paz.

Ele sublinhou que esse acto é contra a cultura tradicional de hospitalidade dos somalis sobretudo neste período religioso de alegria e de perdão.

No princípio deste mês, Ould-Abdallah disse no Conselho de Segurança que a situação na Somália se está tornando mais perigosa cada dia que passa.

A organização Médicos Sem Fronteiras decidiu retirar parte do seu pessoal na região.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud