Conferência da ONU analisa restrição a bombas de fragmentação

Conferência da ONU analisa restrição a bombas de fragmentação

Representantes de governos e especialistas das Nações Unidas participam, na Suíça, de uma conferência para debater restrições ao uso de certas armas convencionais.

O alto-representante das Nações Unidas para o Desarmamento, embaixador Sérgio Duarte (foto), disse à Rádio ONU, em Nova York, que um dos objectivos da reunião é debater restrições às bombas de fragmentação.

"O problema dessas armas é que, quando elas são detonadas, elas soltam estilhaços em todas as direcções. Podem atingir soldados inimigos como armas de guerra. Mas se houver civis próximos, que muitas vezes é o caso, podem também atingir pessoas que estão fora do conflito", explicou.

Duarte afirmou que existe preocupação em relação ao aperfeiçoamento e desenvolvimento de armas nucleares e de sistemas anti-mísseis que podem aproximar o mundo de uma nova corrida armamentista.

Segundo ele, é preciso maior colaboração dos países-membros para reforçar a vigilância.

"O importante em todos estes tratados é que haja a aplicação universal e, infelizmente, não chegamos ainda a este ponto. É necessário para isso que os países colaborem com as organizações de vigilância para que a vigilância seja eficaz", disse.

A reunião sobre desarmamento termina na terça-feira.