ONU pede ajuda para Guiné-Bissau no combate ao narcotráfico

ONU pede ajuda para Guiné-Bissau no combate ao narcotráfico

O Conselho de Segurança reuniu-se, nesta quarta-feira, para analisar um relatório sobre a situação política na Guiné-Bissau.

O encarregado de informação do Gabinete das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, Onugbis, Vladimir Monteiro, disse à Rádio ONU, de Bissau, que o governo tem tentado combater o tráfico de drogas.

"São sinais de uma vontade política de querer combater esse mal que é uma realidade no país como indica o relatório do Secretário Geral da Nações Unidas. Houve também alguns anúncios do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas que falou sobre a determinação do país de abater qualquer avião ligado ao tráfico. Portanto tem havido sinais de uma vontade de combater este mal", disse.

O Secretário-Geral da ONU pediu à comunidade internacional que apoiem a Guiné-Bissau com dinheiro e logística para resolver o problema.

O relatório cita que serão necessários mais de US$ 184 milhões para a reforma das Forças Armadas.

Um processo que deverá incluir a reintegração dos antigos combatentes do país.

Antes da divulgação do relatório, o presidente da Guiné-Bissau, João Bernardo Nino Vieira, falou à Rádio ONU, em Nova York, sobre os factores que estão atrasando a reforma.

"Não há participação dos doadores para levar isso em prática. Temos muitos oficiais que são combatentes da liberdade da pátria, entre generais, coronéis, tenente-coronéis, etc. Não se pode mandar esta gente embora, para casa, sem uma mínima remuneração, sem uma estabilidade. Até porque são pessoas com difícil reinserção na função pública porque muitos infelizmente não tiveram a oportunidade de ir para a escola e ter uma aprendizagem que possa permitir enfrentar uma nova situação de pós-guerra", explicou.

Ban Ki-moon anunciou também o envio de uma equipa para ajudar o país a organizar as próximas eleições legislativas e presidenciais, em resposta a um pedido do governo.