Gambari debate com o governo chinês a situação em Mianmar

Gambari debate com o governo chinês a situação em Mianmar

O enviado das Nações Unidas para Mianmar, Ibrahim Gambari iniciou nesta quarta-feira uma visita a Pequim, na China, para analisar com o governo do país a situação em Mianmar, antiga Birmânia.

O enviado da ONU já se encontrou com representantes dos governos da Tailândia, Malásia, Indonésia e Índia.

O relator dos direitos humanos das Nações Unidas, Paulo Ségio Pinheiro (foto), deve chefiar uma missão de investigação sobre a reação do governo a um protesto pacífico de monges budistas por democracia.

Antes da viagem de Gambari à China, Pinheiro conversou com a Rádio Onu sobre a crise em Mianmar.

"Eu vejo a situação sem alterações substanciais porque ninguém tem acesso aos detidos. Quer dizer, o governo, já desde o começo do ano, não deixa o Comité Internacional da Cruz Vermelha visitar as prisões. Então, para saber exactamente o que está acontecendo era preciso que houvesse alguma avaliação, exactamente o que o Conselho dos Direitos Humanos pediu que eu faça", contou.

Sobre a visita de um representante da ONU ao Mianmar, Paulo Sérgio Pinheiro, detaca a importância de se ouvir todas as partes

"É preciso conversar com todas as partes, os que protestaram, os partidos da oposição, o governo. Isso também é uma coisa normal, não dá para você ficar só conversando com um lado", disse.

A repressão da junta militar contra os manifestantes pacíficos resultou em pelo menos 10 mortos e dezenas de feridos.