Brasil prepara novo contingente de bóinas-azuis para o Haiti BR

Brasil prepara novo contingente de bóinas-azuis para o Haiti

O 8° Contigente Brasileiro da Missão das Nações Unidas para a estabilização do Haiti, Minustah, que embarcará para o país caribenho no início de dezembro, realiza esta semana no Rio de Janeiro uma série exercícios prepararando os militares para situações típicas no Haiti.

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, comandante da tropa militar da Minustah, fala sobre a escolha das tropas que representarão o Brasil na missão de paz.

"O exército brasileiro tem utilizado, desde o início, um sistema de rodízio por comando militar de área e vai fazendo uma rotação de contingentes. Então, por exemplo, o contingente que está aqui agora tem a base no comando militar do sul, no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O próximo contingente que virá é um contingente com base no comando militar do leste, que inclui Rio de Janeiro, Espírito Santo e sul de Minas Gerais", disse.

Segundo o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, o papel das tropas brasileiras no Haiti tem se transformado no transcorrer desta missão de paz.

"As primeiras tropas que chegaram aqui encontraram a situação de segurança muito deteriorada e também na época houve desastres naturais, como furacões e enchentes. Foi uma situação dramática a chegada do primeiro contingente. Não só as tropas brasileiras, outras tropas também, elas vêm fazendo um trabalho de pacificação e hoje podemos considerar que o país vive uma situação de razoável estabilidade, na parte da segurança", explicou.

A missão de paz para o Haiti, criada pelo Conselho das Nações Unidas em junho de 2004, conta atualmente com 1.200 militares brasileiros e teve seu mandato prorrogado até junho de 2008.