Relatório da ONU dá voz às vítimas de conflito no nordeste de Uganda

Relatório da ONU dá voz às vítimas de conflito no nordeste de Uganda

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos divulgou, nesta terça-feira, em Genebra, na Suíça, um relatório sobre o conflito em Uganda, produzido pelas próprias vitimas.

O estudo apresenta as opiniões de habitantes das comunidades mais atingidas pela guerra, no nordeste do país.

O relatório também traz propostas sobre justiça e reconciliação no período actual de transição.

Leia o boletim do repórter da Rádio ONU, António Pacheco.

“As entrevistas foram realizadas entre Janeiro e Junho deste ano. Cerca de 1,7 mil vítimas foram ouvidas em 69 áreas.

O relatório “Tornar nossa, a paz : Percepção das vitimas sobre a aplicação da reconciliação e justiça no nordeste do Uganda” baseia-se na avaliação que as vitimas de abusos, violações e desigualdades económicas, fazem da aplicação dos acordos de paz entre rebeldes e do exercito de resistência do senhor e o governo do país.

O relatório sugere que as comunidades locais responsabilizam tanto o exercito regular como as forcas de resistência, pelas violações aos direitos humanos de que foram vitimas nos últimos anos e acham que devem ser encontrados os responsáveis.

Em muitos dos depoimentos, as vitimas propõem um mecanismo de justiça para os diferentes graus de violações contra os direitos humanos.

Embora admitindo a aplicação de uma amnistia geral , a maior parte dos representantes das comunidades afectadas considera que se deve evitar situações de impunidade”.

O conflito no nordeste de Uganda teve o seu início nos anos oitenta e provocou mais de quinhentos mil deslocados.

Apesar das negociações de Juba entre as autoridades de Kampala e representantes do Exercito de Resistência do Senhor, a maior parte dos deslocados considera que ainda não existem condições de segurança para um regresso definitivo as regiões de origem.