Cheias na Coreia do Norte podem ter matado centenas de pessoas

Cheias na Coreia do Norte podem ter matado centenas de pessoas

O Programa Alimentar Mundial, PAM, informou que 60 mil famílias ficaram desabrigadas após fortes enchentes na Coreia do Norte.

Segundo agências de notícias, as cheias podem ter matado centenas de pessoas e muitos estão desaparecidos.

As enchentes destruíram 30 mil casas em cinco províncias norte-coreanas.

O porta-voz do PMA, Simon Pluess, disse que o governo pediu ajuda ao PMA para socorrer as vítimas.

A organização Cruz Vermelha está distribuindo donativos e cobertores.

Na semana passada, fortes cheias no sul da Ásia afectaram mais de 20 milhões de pessoas em Bangladesh, na Índia e no Nepal.

O 3º vice-presidente da Organização Mundial de Meteorologia, Antônio Divino Moura, disse à Rádio ONU, que esta época do ano está sendo marcada por temperaturas extremas em várias partes do mundo.

E segundo ele, deve chover ainda mais também no sul do Brasil.

“As previsões feitas pela Universidade de Columbia, em junho, para julho, agosto e setembro, dão uma probabilidade um pouco maior de chuvas na região sul, na média desses três meses. Na realidade, nós tivemos ocorrência de chuvas maiores na região de São Paulo, Rio de Janeiro. E indicando probabilidades maiores na região centro-oeste e na região nordeste. Isso está ocorrendo. Eu estou em Brasília, até hoje, julho interinho e agosto, não choveu nada”, afirma.

Nesta terça-feira, o Escritório das Nações Unidas para Assistência Humanitária, Ocha, informou que pelo menos 48 pessoas morreram de doenças relacionadas à água contaminada no Sudão, no leste da África, após as fortes chuvas, que afectaram quase 400 mil pessoas no país.