Nações Unidas comemoram libertação de profissionais de saúde na Líbia

Nações Unidas comemoram libertação de profissionais de saúde na Líbia

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Sida, Unaids, comemorou, nesta terça-feira, a libertação de cinco enfermeiras da Bulgária e de um médico palestino, que haviam sido condenados à morte na Líbia, após serem acusados de infectar 426 crianças com o vírus do Sida.

"Os seis profissionais ficaram presos 8,5 anos acusados de terem deliberadamente infectado as crianças líbias num hospital na cidade de Benghazi.

Desde 1999, 56 das 426 crianças infectadas pelo HIV morreram.

Para o Unaids, certos procedimentos científicos não foram levados em consideração no processo, o que poderia ter levado à libertação dos condenados há mais tempo.

As enfermeiras e o médico retornaram a Sofia, capital da Bulgária, onde foram recebidos pelo presidente Georgi Parvanov".

O Unaids também expressou sua preocupação com as crianças infectadas e as famílias envolvidas.

O fundo da ONU fez um apelo às autoridades líbias para que assegurem o acesso ao tratamento das crianças.