Conselho de Segurança renova missão da ONU para Eritreia e Etiópia

Conselho de Segurança renova missão da ONU para Eritreia e Etiópia

O Conselho de Segurança adoptou, nesta segunda-feira, uma resolução renovando por mais seis meses o mandato da Missão das Nações Unidas para Eritreia e Etiópia, Unmee.

Ban Ki-moon pediu à Eritreia que retire as tropas e equipamento militar pesado da área e que suspenda as restrições, sobretudo a voos de helicópteros da Unmee.

O Secretário-Geral disse que a Etiópia, por seu lado, deve reduzir o número de forças militares adicionais que segundo ele foram enviadas recentemente para a zona em disputa.

No seu relatório, Ban Ki-moon se referiu ainda ao papel da Unmee no monitoramento da situação dos direitos humanos.

O oficial de pessoal dos Obsevadores Militares da Unmee, o capitão brasileiro Rodrigo de Carvalho Bernardo, disse à Rádio ONU, da Eritreia, que as populações dos dois países vêem os observadores como uma força imparcial.

“A presença de uma tropa com capacete azul traz tranquilidade e confiança. A gente pode ver que eles sabem que existe alguém que é imparcial e que está ali trabalhando em prol da paz. Essas pessoas olham para a gente com esperança. Então de uma maneira geral a população local, particularmente na região de fronteira, recebe muito bem os observadores militares”, disse.

Ainda nesta segunda-feira, o relator especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU, Yakin Erturk, afirmou que as mulheres da República Democrática do Congo continuam a ser vítimas de exploração e abuso sexual.

Erturk que realizou uma visita ao país, de 16 a 27 de Julho, disse que a situação é alarmante sobretudo na província Kivu Sul, onde segundo ele a ONU constatou 4,5 mil casos nos primeiros seis meses do ano.

Na sexta-feira, a Alta-Comissária das Nações Unidas para Direitos Humanos, Louise Arbour, pediu às autoridades da República Democrática do Congo que sejam submetidos à justiça os culpados por esses crimes.