HIV/Aids: Tratamento para Todos

HIV/Aids: Tratamento para Todos

Cerca de 2 milhões de pessoas, em todo o mundo, já têm acesso ao tratamento contra o HIV. O número representa um avanço de 54% em relação ao último levantamento em 2006. Os dados são do relatório lançado em parceria entre o Fundo Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids, Unaids, a Organização Mundial da Saúde, OMS, e o Unicef. A reportagem é de Camilla Menezes.

“Sem dúvida, existe um crescimento bastante significativo. Existe razão para o otimismo. Há poucos anos, não havia mais que 300 mil pessoas em tratamento para o mundo em desenvolvimento. A maior parte desses tratamentos estava no Brasil. Hoje, esse número já é maior. São 2 milhões de pessoas em tratamento com um distribuição mais ampla, inclusive, em alguns países africanos muito afetados pela Aids, como Quênia e Botsuana com percentuais bastante elevados de cobertura”, disse.

Paulo Giraldo, presidente da Sociedade Brasileira de DST e Aids, ressalta os benefícios que o tratamento do HIV garante ao portador.

“O primeiro é, sem dúvida nenhuma, a questão social das pessoas infectadas poderem ter uma qualidade de vida e um prolongamento de sua qualidade de vida. Isso, sem dúvida nenhuma, é a grande aquisição. Mas, tem um ganho indireto que talvez seja tão importante quanto, que é diminuir a transmissividade do vírus par outras pessoas que não estão infectadas. Uma vez que a gente baixa muito a carga viral. Então, a estratégia de fazer o tratamento e, que esse tratamento seja universal, é muito apropriada no controle dessa pandemia”, afirmou.

A diretora da ONG Sociedade Viva Cazuza, que atende cerca de 25 crianças portadoras do vírus, Lucinha Araújo, fala sobre a importância do tratamento para impedir a transmissão vertical do vírus.

"O número de crianças com Aids diminuiu muito por causa da prevenção. A mulher grávida com HIV se trata desde o dia em que se descobre grávida e faz tratamento na gravidez. E, depois, na amamentação ela não amamenta, durante o parto ela toma AZT injetável.Então, a chance de ter uma criança com Aids é de manos de 10% para essa mãe. Nós temos vários casos aqui de pacientes com pai e mãe que são HIV positivos que tem três filhos, todos eles HIV negativos. Então, eu acho que esse foi um grande avanço na medicina”, afirma.

O relatório mostra que cada região alcançou um importante progresso no acesso ao tratamento do HIV. Alguns países africanos já cobriam 28% dos portadores, no final de 2006. Em 2003, esse percentual era de 2%. No entanto, esse avanço ainda é considerado pequeno diante das cerca das 7 milhões de pessoas infectadas.

Desde 1996, a legislação brasileira torna obrigatória a disponibilização gratuita de medicamentos para o tratamento do vírus HIV pelo Sistema Único de Saúde. De acordo com o Ministério da Saúde do Brasil, atualmente, 16 tipos diferentes de antiretrovirais são oferecidos pelo governo.

Nações Unidas em Ação

Produção: Rádio ONU em Nova York

Apresentação: Mônica Valéria Grayley

Reportagem: Camilla Menezes

Produção: Sandra Guy e Duda Baguera

Direção Técnica: Peter Kurisko