OMS reforça prioridade para populações africanas e mulheres

OMS reforça prioridade para populações africanas e mulheres

A directora-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, Margaret Chan, reforçou sua decisão de dar prioridade à melhoria dos indicadores de saúde das populações do continente africano e das mulheres em todo mundo.

A chefe da OMS disse que as mulheres são agentes de mudança sem esquecer da vocação como mães e protectoras.

A directora-geral disse também que a África tem sido devastada por doenças contagiosas.

A Assembleia Mundial da Saúde da OMS define as políticas adoptadas pela agência para os próximos anos.

A directora do Departamento de Saúde Pública e Meio Ambiente da OMS, Maria Neira, disse à Rádio ONU, de Genebra, o que espera do encontro.

“Esperamos que o Plano de Acção Mundial de Saúde dos Trabalhadores seja aprovado, assim como a resolução que a OMS está a apresentar sobre medicinas para crianças. E reforçar o plano para a reabilitação da saúde dos idosos e um plano para reduzir a mortalidade mundial por sarampo”, afirmou.

A assembleia da OMS está discutindo ainda formas de combate à tuberculose e à gripe aviária, entre outras doenças.

Apesar de programas de combate, a tuberculose continua afectando milhares de brasileiros principalmente portadores do HIV, como explicou à Rádio ONU, o coordenador do programa nacional do HIV/Sida em Sergipe, David Oliveira de Souza.

“No Brasil, nós temos a tuberculose como um problema de saúde pública importante. No norte do país ainda encontramos a malária. Não temos ainda a erradicação de várias doenças. Nós temos, por exemplo, a poliomielite durante vários anos com zero casos, mas sem erradicação. Estamos sempre atentos para qualquer sintoma. Também Febre tifóide. Várias doenças ainda estão bastante presentes e muito relacionadas as questões de pobreza”, disse.

A Assembleia Mundial da Saúde termina dia 23.