A construção da democracia no Timor-Leste

A construção da democracia no Timor-Leste

Entrevista com o embaixador Nelson Santos, representante do Timor-Leste na ONU, sobre a ordem pública em seu país e o processo democrático. O Timor-Leste, uma ex-colônia portuguesa que se tornou independente em 2002, realizou suas primeiras eleições presidenciais no dia 9 de abril.

“O clima eleitoral tem sido bastante tranqüilo. Houve alguns incidentes de apedrejamento, mas isso é muito normal em um processo como o de Timor-Leste. É um país novo que, pela primeira vez, organiza uma eleição presidencial e nesse momento, a situação é tranqüila e esperamos que fique dessa forma até depois das eleições e, principalmente, depois da publicação dos resultados”, ressaltou.

O embaixador timorense também considerou normal os confrontos registrados entre grupos rivais na capital Dili.

“Os conflitos têm ocorrido apenas em Dili e entre pequenos grupos, não no país inteiro. Por isso, as reportagens que temos visto foram, não exageradas, mas localizadas, talvez dando muita importância a certos conflitos nos bairros, em certas partes da cidade”, concluiu Santos.