Cerca de 400 pessoas morreram em ataques no Chade, diz Acnur

Cerca de 400 pessoas morreram em ataques no Chade, diz Acnur

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, estima que entre 200 a 400 pessoas foram mortas no Chade durante ataques efectuados, no final de Março, por elementos da milícia Janjaweed, do Sudão.

A ONU afirma que há dificuldades em apurar o número exacto de vítimas. De acordo com o porta-voz do Acnur, Ron Redmond, a maior parte dos corpos foi enterrada em valas comuns no lugar onde morreram.

Ele acrescentou que há relatos de crianças e idosos que, fugindo dos ataques, terão perdido a vida, dias depois, por exaustão e desidratação.

Na América Latina, o Acnur constatou que milhares de pessoas, da localidade de Nariño, no sudeste da Colômbia, fugiram das suas casas devido ao aumento da violência e insegurança na região.

Segundo o órgão das Nações Unidas, mais de 6 mil pessoas que se refugiaram nas vilas de El Charco e La Tola, estão vivendo em escolas e outras instalações públicas.

Estima-se que o número de deslocados no país já ultrapassou 3 milhões de pessoas, o que representa a 8% da população.