Ban afirma que condições de trabalho são ruins para mulheres BR

Ban afirma que condições de trabalho são ruins para mulheres

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o trabalho das mulheres continua a ser subestimado, mal pago e em muitos casos sem qualquer remuneração.

O Secretário-Geral disse que dos 100 milhões de crianças, que estão fora das escolas, a maioria é meninas. Segundo ele, dos 800 milhões de analfabetos em nível mundial, a maioria é composta de mulheres.

Ainda de acordo com Ban Ki-moon, a violência contra mulheres continua inalterável em todos os continentes.

O alto-comissariado da ONU para os Direitos Humanos afirmou que apenas um, em cada 20 julgamentos por estupro a mulheres e crianças, acaba em condenação.

A coordenadora regional da Federação Internacional de Mulheres Profissionais e de Negócios, Maria Inês Garcia Bunning, que participa da Conferência sobre a Comissão do Estatuto da Mulher, em Nova York, disse à Rádio ONU, que muitas mulheres desistem de denunciar a violência por causa da impunidade.

“O que mais aflige a mulher é a questão de que não adianta delatar a agressão e ver depois que o culpado não perderá nada com isso. O agressor acaba sendo julgado e liberado em seguida. O que nós tentamos, realmente, é conseguir que ele tenha alguma punição, alguma restrição”, disse.

Garcia Bunning disse ainda que o abismo salarial entre homens e mulheres também é uma forma de agressão.

“Talvez, a maior violência contra a mulher seja a violência econômica. O fato de ela estar participando, às vezes, na mesma posição que um homem e ter um salário mais baixo. Isso realmente é uma violência, porque a violência física se percebe mas a econômica não. E essa é uma maneira de fazer com que a mulher fique cada vez mais presa ao marido”, disse.

A conferência internacional sobre a Comissão do Estatuto da Mulher deve terminar nesta sexta-feira.