Ban Ki-moon reúne-se com Quarteto para discutir Oriente Médio BR

Ban Ki-moon reúne-se com Quarteto para discutir Oriente Médio

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, participou, nesta sexta-feira em Washington da reunião do chamado Quarteto diplomático para o Oriente Médio. O grupo, formado por ONU, Estados Unidos, Rússia e União Européia, discute formas de viabilizar o processo de paz entre israelenses e palestinos.

A porta-voz de Ban, Michele Montas, disse que ele espera que haja progressos. O vice-embaixador de Israel junto à ONU, Daniel Carmon, explicou a opinião do governo israelense.

O embaixador Daniel Carmon disse que espera que o que ele chama de governo terrorista do Hamas possa reconhecer a existência do Estado de Israel. Ele também afirmou que os atos de violência entre palestinos das facções rivais Hamas e Fatah também não sejam ignorados.

Já o vice-ministro das Relações Exteriores da Autoridade Nacional Palestina, Ahmed Sobeh, disse, à Rádio ONU, de Ramallah, que é hora de ações concretas.

“Nós esperamos muito mais que um comunicado, como o que aconteceu nas últimas reuniões do Quarteto É preciso que a comissão possa realmente ter um mecanismo de ação para cumprir a folha de rotas (Mapa para a Paz) e para que exista um esquema para o tempo necessário para cada etapa, medidas práticas são necessárias para fazer cumprir o processo de paz”, disse.

O encontro do quarteto tem sido observado também por entidades não-governamentais como uma chance à paz. Foi o que disse à Rádio ONU o presidente da Federação Israelita do Rio de Janeiro, Sergio Niskier.

“Todo e qualquer empenho de empreendimento tem que ser aplaudido por todos. Com certeza em volta da mesa de negociações é que há soluções para os problemas naquela região. Eles poderão ser solucionados, eu tenho muita esperança que todos os moderados possam estar, de fato, imbuídos com o fim da violência com o fim do terrorismo”, disse.

Em meados deste mês, a Secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, deve visitar o Oriente Médio para discutir o processo de paz na região.