ONU pede fim de mutilação genital feminina

ONU pede fim de mutilação genital feminina

Até 140 milhões de pessoas, entre elas 3 milhões de meninas, sofrem prática anualmente, diz Unfpa.

Segundo o Unfpa, cerca de 120 a 140 milhões de mulheres, incluindo 3 milhões de meninas, são mutiladas todos os anos.

A prática, defendida em muitos países como um costume para introduzir a menina à vida adulta, viola os direitos básicos da mulher além de causar riscos à saúde de grávidas, diz o fundo da ONU.

Muitos líderes religiosos já pediram o fim da prática. Em países como por exemplo, Quênia, Eritréia, Etiópia, Mali e Nigéria, casos de mutilação foram registradas diminuições no número de casos.

O Unfpa pediu a governos que declarem compromissos mais fortes para financiar e implementar programas de prevenção à mutilação genital em mulheres.

A diretora-executiva do Unfpa, Thoraya Obaid, disse que muitas meninas são sujeitas à prática da mutilação por pais para reduzir o número de reclamações ou a possibilidade de elas se recusarem a participar da mutilação.

O fundo da ONU está apoiando iniciativas em vários países incluindo Uganda e Quênia, que oferecem outros ritos para introduzir a menina na vida adulta.