Situação de refugiados iraquianos é um “desastre humanitário”, diz Acnur

Situação de refugiados iraquianos é um “desastre humanitário”, diz Acnur

O alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres (foto), disse que o aumento do número de refugiados devido a violência no Iraque é um verdadeiro desastre humanitário.

Segundo o Acnur, existem 1,8 milhão de deslocados internos no Iraque, e mais de dois milhões de pessoas teriam fugido para os países vizinhos.

Além disso, um grande número de palestinos passou a ser alvo da violência no Iraque, desde a queda do ex-presidente Saddam Hussein, em 2003.

Antes de chegar à Síria, nesta quinta-feira, Guterres visitou a Jordânia, país formado por grande maioria de palestinos. O porta-voz do Acnur, William Spindler, explicou à Rádio ONU, de Genebra, porque alguns vizinhos não querem absorver os refugiados palestinos.

“O problema é que as autoridades dos países vizinhos fecharam as fronteiras e não permitem a entrada dos palestinos na Síria e na Jordânia. É por isso que as pessoas se encontram numa situação tão difícil e são tão vulneráveis, nesse momento. Também estamos fazendo uma chamada às autoridades do Iraque para que façam todo o possível para garantir a segurança de todas essas pessoas e para impedir a perseguição dos refugiados palestinos”, afirmou.

Nesta quarta-feira, o Acnur anunciou que criará uma escola temporária na localidade de al-Tanf, na fronteira do Iraque com a Síria para atender 90 crianças. Perto de 700 palestinos estariam na região, há nove meses, à busca de uma oportunidade de sair do Iraque.

Segundo a agência da ONU, 15 mil palestinos ainda permanecem no país.

No mês passado, António Guterres lançou um apelo de US$ 60 milhões para socorrer cerca de 250 mil refugiados no Iraque.